background img
mapserv

Cortes de investimentos podem deixar o Brasil sem previsão do tempo

Todos eventos climáticos e meteorológico do Brasil hoje em dia passam pelo poderoso, porém já velho, Tupã. Mas calma, ainda não substituímos a ciência pela cosmovisão indígena: o Tupã em questão é o supercomputador instalado no Centro de Previsão de Tempo e Meteorologia (Cptec), na cidade de Cachoeira Paulista, interior de São Paulo. O único voltado à previsão do clima.

Com capacidade de realizar 258 trilhões de cálculos por segundo, Tupã foi adquirido como um dos 30 computadores mais velozes do mundo. Mas isso em 2010. Hoje, sete anos depois, não está mais nem entre os 500 primeiros, e agoniza os últimos cálculos de sua produtiva carreira. “É a história do carro velho. A chance de quebrar só aumenta com o tempo. Com um computador é a mesma coisa”, conta Gilvan Sampaio, chefe de operações do Cptec.

E não precisam muitos anos para um computador ser considerado velho. O vigor de um supercomputador dura quatro anos. O ideal é que seja substituído nesse prazo. Mas até por falta de opção, Tupã resistiu. Nos quintos e sexto anos de vida, a empresa fabricante, Cray Supercomputers, forneceu peças de reposição que garantem uma sobrevida.

Respeita o véio - à beira da aposentadoria, Tupã computou dados climatológicos por sete anos (Foto: Cptec)

Mas chegou o sétimo ano e estava na hora de o Tupã encaminhar a aposentadoria de forma digna. Ou melhor, passou da hora. Desde 2014 o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ao qual o Cptec é subordinado, solicita recursos para comprar um novo. Mas sem sucesso. “Para se ter uma ideia, nossa despesas estão em R$ 14 milhões por ano, e o orçamento para o ano que vem está previsto em R$ 9 milhões. Não temos dinheiro nem para pagar as contas básicas”, revela Sampaio.

Mesmo que os recursos para a compra de um supercomputador novo, com preços que variam de R$ 50 a 120 milhões, chegasse hoje, nada garantiria que o Ceptec teria uma máquina para trabalhar em 2018. O processo de licitação internacional demora em média 1,5 ano para ser viabilizado. Ano passado, o valor foi até providenciado, mas, com o contingenciamento de 44% do orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, ele virou lenda.

Leia mais: 
“Parlamentares dizem que a ciência é importante, mas não fazem nada”
“É importante que os brasileiros se manifestem a favor da ciência”

A alternativa do MCTIC foi disponibilizar R$ 10 milhões para que o Inpe atualizasse a máquina. Algumas peças seriam substituídas e, o que seria fundamental, voltariam a pagar a assistência técnica para a máquina. Atualmente uma empresa, de olho no novo contrato, faz o trabalho de forma gratuita, mas somente em horário comercial. “Como aconteceu no domingo (19 de novembro), véspera do dia da Consciência Negra. Como segunda era feriado, o Tupã só voltou a funcionar na terça, quando o técnico veio aqui”, diz Sampaio.

Mas nem esse “gato” está garantido. Os R$ 10 milhões ainda não caíram na conta do Inpe, e dia 8 de dezembro é o prazo limite para empenhar o orçamento de 2017. Se isso não acontecer, acaba a assistência técnica, e não vai demorar muito para o Tupã ter morte declarada. Mais do que prever se fará chuva ou sol, o supercomputador é fundamental para o planejamento do setor elétrico brasileiro; para a agricultura e, principalmente, para a previsão de desastres naturais. O risco é ficarmos sem o “deus do trovão”, protetor das causas climatológicas, bem na época de tempestades.

 

Via Revista Galileu

Tags relacionadas
Veja também
Comentários

Comentários encerrados!