A verdade contada como ela é.

Câmara vai respeitar decisão do DEM de abrigar médica cubana, diz Alves


Profissional do Mais Médicos se abrigou na Câmara e pediu asilo político.
Líderes do DEM irão se reunir com ministro da Justiça para discutir assunto.

Presidente da Câmara, Henrique Alves, dá entrevista sobre a pauta de votações da semana (Foto: Rodolfo Stuckert/Câmara dos Deputados)O presidente da Câmara, Henrique Alves
(Foto: Rodolfo Stuckert/Câmara dos Deputados)

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou nesta quarta-feira (5) que vai respeitar a decisão do DEM de abrigar a médica cubana Ramona Matos Rodriguez no gabinete da liderança do partido. A profissional, que se mudou para o Brasil em 2012 para atuar no programa Mais Médicos, pediu auxílio de deputados do DEM para conseguir asilo político no país.

“Isso [abrigo à médica cubana] é uma decisão do DEM. É um espaço do partido e vou respeitar […] No espaço do DEM, vou respeitar esses limites. Fora daí, sim, seria área da Câmara, pública. Enquanto é do DEM, no seu espaço, vou respeitar”, disse Alves nesta quarta.

A bancada do DEM na Câmara considerou que a permanência da médica no Legislativo garantirá a sua segurança por ser um espaço onde não pode haver atuação da Polícia Federal (PF). O regimento interno da Câmara determina que a participação de qualquer polícia dentro do parlamento, que não seja a Legislativa, depende da determinação do presidente da Casa ou da Mesa Diretora.

A liderança do partido na Câmara irá se reunir na tarde desta quarta com o ministro da Justiça,José Eduardo Cardozo, para solicitar a concessão do asilo político à profissional de Cuba.

Ramona Rodriguez informou nesta quarta que vai ficar morando no gabinete do DEM  até que obtenha uma resposta do governo brasileiro sobre a concessão de asilo político.

O programa traz profissionais estrangeiros para atender pacientes do interior do país e de áreas carentes das grandes cidades. Ramona atuava em Parajá, no Pará. No último sábado (1º), ela partiu da cidade em direção a Brasília, após descobrir que os demais profissionais estrangeiros recebem R$ 10 mil pelo programa. Segundo ela, os cubanos recebem US$ 400 (cerca de R$ 965).

“Eu pretendo ficar aqui [no Brasil]. E pedi a proteção do deputado [Ronaldo Caiado, ex-líder do DEM], porque eu temo pela minha vida. Estou certa que se neste momento vou para Cuba, vou estar presa. Fui enganada pelo governo cubano”, disse. Questionada se pretende permanecer no gabinete da liderança do DEM, a médica respondeu que sim. “Até que me deem uma resposta [sobre o asilo político]”, completou.

O líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE), afirmou que o partido vai ajudar qualquer médico cubano que necessite de auxílio para pedido de asilo.

“Nós entramos em contato com o gabinete do ministro [da Justiça] José Eduardo Cardozo pedindo audiência, para que a gente possa apresentar a nossa preocupação com a médica cubana que está abrigada aqui. Ao mesmo tempo, a assessoria do DEM deve finalizar até o final da tarde de hoje a solicitação de asilo político dela no território brasileiro”, disse Filho.

Esclarecimentos
Segundo o líder do DEM, o partido também vai solicitar ao Ministério da Justiça esclarecimentos sobre a suposta ida de agentes da Polícia Federal à casa da médica em Parajá, onde ela vivia com outras duas profissionais cubanas, após a fuga de Ramona.

Segundo a médica, a preocupação com a PF foi o motivo para ela ter buscado o auxílio do DEM, partido que fez forte oposição ao Mais Médicos no Congresso. “Uma amiga falou para mim que a Polícia Federal havia ido até a minha casa, e haviam rastreado a minha chamada telefônica, havia, feito entrevista com as pessoas que eu havia ligado, e que haviam falado que agora vinha me procurar. Eu fiquei com muito medo”, disse.

Ramona também informou que, em Cuba, seu salário era de 573 pesos, aproximadamente US$ 35. No Brasil, os US$ 400 recebidos por Ramona são considerados insuficientes por ela devido aos custos para morar no país.

Ramona afirmou que chegou ao Brasil em dezembro. Na terça- feira, ela mostrou a jornalistas um contrato firmado com a Sociedade Mercantil Cubana Comercializadora de Serviços Médicos Cubanos, empresa que teria intermediado a vinda da médica ao país. No ano passado, quando os primeiros médicos cubanos chegaram ao Brasil, o governo brasileiro não divulgou o valor que cada profissional receberia pelo contrato feito com Cuba por intermédio da Organização Panamericana de Saúde (Opas).

No lançamento do programa, o governo divulgou que o acordo com Cuba foi intermediado pela Opas, que receberia R$ 510 milhões por um semestre de serviços, repassando parte do dinheiro a Havana. Todos os demais profissionais contratados pelo Mais Medicos, brasileiros e estrangeiros, recebem bolsa de R$ 10 mil.

Conselho Federal de Medicina
Também nesta quarta (5) o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto D´Ávila,prestou apoio à médica.

“O CFM parabeniza essa cubana pela coragem de denunciar que fugiu e manifesta apoio a essa intercambisca cubana. Ela teve coragem de fugir e relatar o que está acontecendo. Clamo pelas autoridades que acolham essa mulher porque ela corre o risco de ser deportada para Cuba”,  afirmou. “Essa mulher tem que ser protegida e quero apoiar o que ela fez.”

 

Fonte: www.g1.globo.com

Deixe uma resposta