background img
mundo-mercosul-temer-20180618-004

Mundo: Diante da crise argentina, Macri cancela presença na reunião do Mercosul

Líderes do bloco pedem a Caracas canais para o ingresso da ajuda humanitária internacional na Venezuela

Diante de uma nova crise econômica na Argentina, o presidente do país, Maurício Macri, desistiu de participar da 52ª reunião de cúpula do Mercosul, que ocorre nesta segunda-feira (18) em Assunção, no Paraguai.

A vice-presidente, Gabriela Michetti, substitui Macri no encontro semestral do Mercosul, que terá a presença dos presidentes Michel Temer, Tabaré Vasquéz , do Uruguai, e Horácio Cartes, do Paraguai.

No domingo (17), o ministro argentino da Fazenda e do Planejamento, Nicolás Dujovne, não participou do encontro semestral do Conselho do Mercado Comum (CMC), que reuniu os ministros da Fazenda do Brasil, Eduardo Guardia; do Uruguai, Danilo Astori; e do Paraguai, Lea Giménez. A Argentina enviou para o CMC seu vice-ministro de programação macroeconômica, Luciano Cohan.

A Argentina enfrenta uma nova crise cambial, com abruptas desvalorizações do peso e fuga de capitais nos últimos dois meses. A situação levou o governo Macri a pedir um empréstimo stand-by de US$ 50 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), como meio de estancar a corrida contra a moeda local.

A situação frágil da economia levou o governo a mudar a composição de seu gabinete. O presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, pediu demissão e foi substituído, na semana passada, pelo então ministro do Planejamento, Luis Caputo.

No sábado, Macri demitiu no sábado outros dois ministros de seu governo. Francisco Cabrera, da Produção, e Juan José Aranguren, de Energia, serão substituídos por Dante Sica e Javiera Iguacel, respectivamente, segundo a imprensa argentina.

Crise venezuelana

Lideranças do Mercosul assinaram nesta segunda uma declaração à parte sobre a situação da Venezuela como meio de pressionar Caracas a aceitar a criação de canais para o ingresso de ajuda humanitária ao país. O texto não faz menção à reeleição do presidente Nicolás Maduro, no final de maio, ou a questões políticas internas.

No documento, os líderes do Mercosul pedem que o governo venezuelano coordene com a comunidade internacional o estabelecimento de canais para “aliviar a crise social e migratória” e também crie um sistema para o intercâmbio de informação epidemiológica com os países da região.

“Considerando o crescimento dos fluxos migratórios de venezuelanos, que buscam novas oportunidades na região, ante a deterioração das condições de vida da Venezuela, sublinham a necessidade de coordenar esforços a fim de dar respostas integrais em matéria migratória e de refúgio, de forma consistente com a dignidade e a preservação dos direitos fundamentais dos migrantes”, diz o texto.

Em agosto de 2017, a Venezuela foi suspensa do Mercosul – atualmente integrado por Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai – por ruptura da ordem democrática.

“(Os países) Reiteram sua vontade e compromisso de apoiar e acompanhar o povo irmão venezuelano nos esforços que demande a mitigação da crise migratória, humanitária e social, que atravessa atualmente”, continua o texto.

O presidente Michel Temer anunciou aos líderes do bloco que irá amanhã (19) para Roraima inspecionar pontos de atendimento aos refugiados venezuelanos. Temer viajará acompanhado do líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), e visitará o abrigo Nova Canaã, em Boa Vista.

“Lamentamos dizer de uma certa ruptura existente na ordem democrática da Venezuela e nós continuamos vigilantes frente a uma deterioração humanística no quadro daquele país”, afirmou Temer.

Ele disse também que o Brasil tem recebido “milhares e milhares de imigrantes venezuelanos que buscam uma vida melhor” e que “não tem poupado esforços” para recebê-los, afirmando que o país oferece alimentação, remédio, abrigo e uma carteira de identidade transitória.

“Nosso povo irmão atravessa um momento preocupante, e não há espaço para hesitações, por isso que agimos dessa maneira.”

(Com Estadão Conteúdo)

Tags relacionadas
Veja também
Comentários

Comentários encerrados!