A verdade contada como ela é.

Cris Cyborg volta a vencer, bate Felicia Spencer e garante: “É claro que eu quero a Amanda Nunes”


Ex-campeã peso-pena se recupera após primeira derrota em 13 anos com performance dominante contra lutadora canadense no coevento principal do UFC 240

Por Combate.com — Edmonton, Canadá

Não se faça de enganado: Cris Cyborg ainda é uma das melhores lutadoras do mundo. A ex-campeã peso-pena se recuperou de sua primeira derrota em 13 anos com uma performance dominante contra a canadense Felicia Spencer e saiu vencedora por decisão unânime (triplo 30-27) no coevento principal do UFC 240, neste sábado, em Edmonton (CAN). O nocaute não veio porque “FeeNom”, que nunca havia perdido até então, mostrou muita resistência e coragem.

Cris Cyborg espera renovação com UFC para ter a revanche contra Amanda Nunes

Cris Cyborg espera renovação com UFC para ter a revanche contra Amanda Nunes

– Eu treinei muito duro, obrigado Felicia pela luta, você me deu meu primeiro corte. Isso me deixa feliz porque quando eu comecei a lutar, não tinha nenhuma mulher lutando, era só eu – disse Cyborg após a luta.

+UFC 240: de volta aos penas, Max Holloway vence Frankie Edgar e defende cinturão com sucesso

A luta deste sábado foi também a última do atual contrato de Cyborg com o UFC. Ela agora entra em negociação com a organização para renovar o acordo, mas deixou claro que, ao contrário do que o presidente Dana White vem insistindo, ela quer sim fazer uma revanche contra Amanda Nunes, atual campeã peso-pena da organização, que a derrotou em dezembro passado.

– Vou deixar o UFC falar com meus managers e vamos ver. Mas é claro que eu quero a Amanda. Eu pedi a revanche logo depois da nossa luta – afirmou.

Cris Cyborg ficou com um corte profundo na testa após sofrer cotovelada de Spencer no primeiro round — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Cris Cyborg ficou com um corte profundo na testa após sofrer cotovelada de Spencer no primeiro round — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Cyborg não perdeu tempo e pressionou Spencer desde o início. A canadense, porém, aguentou os primeiros diretos e chutes, andou para frente e abriu um corte na testa da brasileira com uma cotovelada. “FeeNom” encurtou a distância e agarrou a curitibana, mas não obteve sucesso na tentativa de queda. Cyborg se desvencilhou e soltou as mãos na cabeça da adversária, que mostrou queixo duro. A canadense acertou mais uma cotovelada de encontro, a brasileira sentiu o sangue ferver e foi para cima mais uma vez, mas Spencer a agarrou e conteve seu ímpeto.

A canadense mostrou mais uma vez resistência anormal ao engolir um chute alto de direita e agarrar a brasileira. Ela pressionou e insistiu no single leg, mas Cyborg permaneceu em pé e foi minando seu gás com joelhadas no corpo. Foi quando a brasileira surpreendeu, calçou a base e derrubou Spencer. Cris tentou encerrar a luta no ground and pound, mas a canadense usou sua guarda agressiva para se defender, ameaçando chave de braço e omoplata. Cyborg se levantou e chamou a adversária de volta para a trocação. Em pé, a curitibana passou a pontuar bem com chutes baixos, e foi abrindo espaço para seus jabs, diretos e “Superwoman punch”.

Cyborg carregou o bom momento do final do segundo round para o terceiro e último assalto. A brasileira trabalhou mais na média para longa distância, usando o jab para manter Spencer longe e soltando cruzados quando a canadense tentava encurtar. “FeeNom” agarrou mais uma vez, mas Cyborg acertou uma dura cotovelada para separar o clinche e machucou a canadense. A partir daí, a brasileira ditou o ritmo do combate e, apesar de inúmeros diretos e direita na cabeça, não conseguiu o nocaute.

Geoff Neal nocauteia Niko Price após luta eletrizante

Geoff Neal se afasta após nocautear Niko Price no segundo round — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Geoff Neal se afasta após nocautear Niko Price no segundo round — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Depois de duas lutas chatas para iniciar o card principal, os americanos Geoff Neal e Niko Price entraram com muita disposição para trocar golpes e buscar a vitória. Ela ficou com Neal por nocaute técnico aos 2m39s do segundo round. Num primeiro round muito movimentado e de muita trocação, Neal teve os melhores momentos. Apesar de cair em knockdown duplo em virtude de um choque inadvertente de cabeça, Neal acertou mais golpes no clinche e teve duas quedas. Ele partiu para cima no segundo assalto, mas sentiu os cruzados de Price na resposta e partiu para o double leg. Price tentou uma guilhotina, mas Neal se livrou e passou a castigar o adversário com golpes de cima para baixo, até o árbitro encerrar a luta.

Arman Tsarukyan vence Aubin-Mercier por pontos

Arman Tsarukyan acerta um cruzado de esquerda em Olivier Aubin-Mercier — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Arman Tsarukyan acerta um cruzado de esquerda em Olivier Aubin-Mercier — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

O armênio Arman Tsarukyan venceu sua primeira luta no UFC ao derrotar o canadense Olivier Aubin-Mercier por decisão unânime (triplo 29-28). O armênio não perdeu tempo em atacar o dono da casa com golpes retos e entradas no single leg. Aubin-Mercier evitou a maioria das quedas, mas Tsarukyan ainda assim controlou o canadense junto à grade na maior parte do primeiro round. Aubin-Mercier melhorou no segundo assalto, e acertou duras joelhadas de encontro quando o adversário tentava entrar nas suas pernas. No terceiro e último round, o canadense inverteu o jogo e passou a pressionar por quedas. No entanto, Tsarukyan segurou na grade, o árbitro não viu, e o armênio caiu por cima. Ele permaneceu em domínio até o fim. Foi a terceira derrota seguida de Aubin-Mercier.

Krzysztof Jotko vence Marc-Andre Barriault em luta sonolenta

Krzysztof Jotko tenta um chute alto contra Marc-André Barriault — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

Krzysztof Jotko tenta um chute alto contra Marc-André Barriault — Foto: Jeff Bottari/Getty Images

O polonês Krzysztof Jotko e o canadense Marc-Andre Barriault fizeram um duelo sonolento para abrir o card principal do UFC 240. Os juízes divergiram no resultado, e Jotko foi apontado vencedor por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28). Barriault ditou o ritmo no início, mas era Jotko quem conectava mais golpes. O canadense pressionou bastante com clinches, mas o polonês o surpreendeu com uma queda nos segundos finais. Jotko cresceu no segundo round, com mais espaço para a trocação na longa distância – Barriault também dava sinais de cansaço. O canadense ainda teve uma queda no finalzinho, mas não teve tempo para nada. Jotko tratou de travá-lo junto à grade no início do terceiro round, mas não o segurou por muito tempo. Barriault pressionou por todo o período, mas acabou derrubado pelo polonês no minuto final.

CONFIRA OS RESULTADOS DO CARD PRELIMINAR:
Vivi Araújo venceu Alexis Davis por decisão unânime (triplo 29-28)
Hakeem Dawodu venceu Yoshinori Horie por nocaute aos 4m09s do R3
Gavin Tucker venceu Seung Woo Choi por finalização aos 3m17s do R3
Deiveson Figueiredo venceu Alexandre Pantoja por decisão unânime (triplo 30-27)
Gillian Robertson venceu Sarah Frota por nocaute técnico aos 4m13s do R2
Erik Koch venceu Kyle Stewart por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)