A verdade contada como ela é.

Greve histórica do Figueirense acaba. Por medo de lista negra


Por respeito à torcida e receio de ficarem marcados e não serem contratados por outras equipe. Motivos para o fim dos ‘WOs’. Salários seguem atrasados

São Paulo, Brasil

A greve dos jogadores do Figueirense acabou.

Não haverá mais WO.

Tanto entre os profissionais quanto na sub-23.

Os atletas irão a campo contra o CRB.

Por três motivos.

O primeiro, por respeito à torcida.

O segundo, por ter atingido o objetivo. O Brasil todo tomou conhecimento da péssima gestão no futebol do clube. O clube, em 2017, repassou a administração do futebol à empresa Elephant. Por 20 anos.

Assumiu o clube com R$ 22 milhões em dívidas. Fechou 2018 com prejuízo de R$ 30 milhões.

E ela não conseguiu manter os salários, os direitos de imagem e nem os depósitos do Fundo de Garantia dos atletas.

E eles decidiram não entrar em campo contra o Cuiabá, pela Série B, na terça-feira. O time sub-23 optou por não jogar contra o Santos, ontem.

Dois WO vergonhosos.

Mas históricos.

A Elephant resolveu ao menos a situação dos meninos do sub-15 e do sub-17. 

Não pagou ainda os profissionais e os garotos da sub-23.

Os atrasos variam entre três e dois meses de salários e direitos de imagem.  E o tempo aumenta em relação ao Fundo de Garantia.

O ex-goleiro do São Paulo briga na justiça, alegando que seu Fundo de Garantia não era depositado desde abril de 2018. Chegou a conseguir a liberação na justiça. O clube recorreu e a decisão foi revogada. Mas a briga judicial continuará.

Atletas do clube estão com sérios problemas. Ameaçados de despejo por não pagarem aluguel. Outros por ameaçados de prisão por não pagarem pensão alimentícia.

O capitão Zé Antônio nega ser o líder da greve

O capitão Zé Antônio nega ser o líder da greve

Figueirense

O capitão do time principal, Zé Antônio, foi citado na nota oficial divulgada pelo clube. Onde foi divulgado o acerto do pagamento dos garotos.

Ele não só desmentiu uma possível liderança, como resolveu escancarar mais detalhes das dívidas.

Base – dez salários atrasados (juntando 2018 e 2019), CLT de agosto a novembro de 2018, férias e julho de 2019;

Comissões técnicas base e profissional – atrasado de novembro e dezembro de 2017, julho, agosto, setembro, novembro de 2018, férias de 2018 e salário de julho de 2019;

Funcionários – outubro, novembro de 2018 e férias de 2018.

Funcionários – sem recolher FGTS há vários anos;

Ainda sem pagar empresa de ônibus, cozinha, hotel e lavanderia.

Porém, a terceira, e talvez a mais importante motivação do fim da greve, foi o medo geral dos atletas de ‘entrarem em uma lista negra’.

Serem vistos como problemáticos e não serem contratados por outras equipes, já que o atraso nos salários é uma prática comum nos clubes de futebol do país.

A direção do Figueirense e representantes da empresa Elephant já se reuniram depois dos WO. E tentam se acertar.

Há a pressão da CBF e da Globo para que o time dispute até o fim a Série B, para evitar processos de assinantes do pay-per-view. Assim como o de equipes que se sentissem prejudicadas por terem perdido pontos para o clube catarinense.

Abaixo a nota divulgada pelo advogado dos atletas, anunciando o final da greve, na noite de ontem.

“Como é de conhecimento público e geral, desde a última quinta-feira, quando protocolamos a notificação junto ao Figueirense FC, há paralisação das atividades, em virtude dos reiterados atrasos salariais, dos Direitos de Imagem e depósitos do FGTS de todo elenco profissional, categorias de base e demais funcionários do clube, que culminou com o W.O. da última terça-feira.

Só o Cuiabá ouvindo o hino nacional. O Figueirense não entrou em campo

Só o Cuiabá ouvindo o hino nacional. O Figueirense não entrou em campo

Reprodução Premiere

Desde o início, além de receber o que nos é devido em virtude do nosso trabalho já efetuado, também esperávamos contato da Diretoria Executiva do Clube, o que até hoje, não aconteceu.

Nós, atletas, cedemos e em troca a Diretoria se comprometeria com as datas de pagamentos definidas em conjunto. Ontem, desde o início da tarde, discutíamos o retorno das atividades com o jurídico do Clube. Ficou-se pactuado que haveria uma NOTA OFICIAL CONJUNTA, elaborada pelo nosso advogado e pelo jurídico do Clube.

Infelizmente, além do Figueirense FC não publicar a NOTA OFICIAL CONJUNTA, publicou nota unilateral, com alguns fatos que não correspondem com a verdade e ainda expondo nome de apenas um atleta. Nos foi informado que a decisão partiu unilateralmente do Presidente.

Reforçamos que estamos todos unidos, e não há líderes no grupo, todas as decisões são tomadas conjuntamente.

Enfim, não há mais negociação, pois a Diretoria do Clube não tem a menor intenção de diálogo com o elenco. Tentamos de todas as formas, mas o Presidente não nos da a mínima atenção, mesmo neste momento tão delicado, dando a entender que para ele está tudo normal.

Assim, em respeito à instituição Figueirense FC e à nossa torcida, que tem nos apoiado tanto, decidimos, mesmo sem que a Diretoria tenha cumprido com NENHUMA das nossas exigências, não tenha efetuado os pagamentos salariais e Direitos de Imagem, não dialogue conosco, retornar aos treinos amanhã, confirmando que estaremos em busca da vitória na partida de sábado.

Reiteramos que até o momento não há diálogo com a Diretoria Executiva, que parece ignorar o momento que estamos vivendo, e, que voltaremos as atividades em respeito instituição Figueirense FC e à nossa torcida. Porém, não podemos aceitar que estas condições continuem e, caso o impasse não seja resolvido pela Diretoria, poderemos paralisar as atividades novamente.”

Triste futebol brasileiro…