A verdade contada como ela é.

Compras exageradas na Black Friday podem prejudicar finanças de 2020


Black Friday acontece no dia 29 de novembro. Consumidores devem estar atentos a sites que não existem como loja e política de troca dos produtos

Black Friday é uma das datas mais esperadas no ano pelos varejistas e consumidores. Cesar Caselani, professor de Finanças da FGV (Fundação Getúlio Vargas), porém, alerta que as compras exageradas nesse período podem ter um reflexo no planejamento financeiro de 2020. “Tem Black Friday, tem Natal e na virada do ano novo tem os impostos, IPVA e IPTU. Quem não tá pensando um pouco mais distante e se joga no consumo no fim do ano tende a começar 2020 com problemas financeiros”.

Leia mais: Percentual médio de descontos na Black Friday deve ser de 24%

Neste ano a Black Friday acontece no dia 29 de novembro. O professor também aconselha os compradores quais atitudes tomar para evitar o gasto desenfreado. “Não adianta sair gastando para depois ter que tomar dívida. Antes de mais nada a pessoa precisa ver qual é a condição efetiva que ela tem para o consumo. Buscar ser ponderado, pensar bem antes de comprar, olhar para o orçamento e se for necessário puxar o freio”.

“Não é porque se trata da Black Friday que é obrigado a sair comprando”, completou Caselani.

O economista também ressaltou o fato desse ser o trimestre do varejo. “O úlitmo trimestre do ano é um período que pesa muito no resultado final do varejo no ano. Obviamente os varejistas vão fazer todo o esforço, de forma correta do ponto de vista do empresário, para vender”.

Cuidados na Black Friday

O período é visto com certa desconfiança pelos consumidores, principalmente em relação ao verdadeiro valor do desconto. Rubens Leite, sócio gestor do RGL Advogados, aconselha os consumidores a acompanharem os preços perto do dia da promoção.

“Um dos principais cuidados que os compradores devem tomar é acompanhar a evolução dos preços, pois muitas empresas vão aumentando gradativamente o valor dos produtos”, disse o advogado.

Leite ressaltou a política de troca dos produtos. “Segundo o código do consumidor, o comprador quando compra na loja física não tem direito a troca e muitas empresas até possuem suas políticas de troca do dia a dia, porém, eventualmente, por estar na promoção pode não haver essa questão de troca. É importante verificar para que não tenha nenhum tipo de desconforto. Ao passo que a compra foi feita pela internet ou por catálogo, os consumidores tem o direito de arrependimento que é de sete dias”.

Outro ponto importante levantado por Rubens diz respeito aos sites que não existem como loja. “Neste período existem muitos sites que são fraudulentos, não existem como loja. É importante verificar se o que a empresa está vendendo realmente existe, fazer uma pesquisa prévia para saber se essa empresa realmente existe”.

O advogado também aconselhou os donos de empresa a como se portarem na Black Friday.

“Muitas vezes a Black Friday não é olhada do ponto de vista da empresa. É importante que a empresa utilize a Black Friday de forma estratégica e leal para que consiga um aumento significativo nas vendas”.

Produtos em promoção

Carlos Munhoz, gerente proprietário na Fox Soluções, contou que muitos consumidores pedem desconto em muitos produtos que não estão em promoção. “Os clientes acham que todos os produtos entram no desconto, os que não estão o cliente acaba pedindo mais desconto sobre os demais. Acaba gerando desconforto e também desconfiança perante aos valores, no qual escutamos muito que é tudo ‘Black Fraude'”.

Como solução para o problema, o empresário agora separa os produtos que estão em promoção dos que não estão.

Munhoz também destacou a importância que a data possui para o setor do varejo. “Hoje podemos considerar uma data bastante interessante, é especial para o varejo”.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas