A verdade contada como ela é.

Como esperado, Trump é absolvido de impeachment no Senado e segue na Presidência


Com uma só exceção, partidos permanecem unidos em julgamento, e presidente acaba inocentado pela maioria republicanaAgências internacionais

WASHINGTON – Conforme era esperado, o Senado americano absolveu o presidente do país, Donald Trump, das acusações de abuso de poder e obstrução de Justiça, encerrando a principal acusação do julgamento de impeachment que dividiu ainda mais os dois partidos políticos e forneceu um cenário amargo para a campanha presidencial de 2020.

Na acusação de abuso de poder, o placar final foi de 52 votos pela inocência, e de 48 pela culpa. A votação seguiu quase inteiramente linhas partidárias, com uma única exceção — o republicano Mitt Romney desertou e votou a favor da destituição de Trump. Eram necessários 67 votos, uma maioria de dois terços, para o presidente ser removido do cargo.

A deserção de Romney foi a primeira em um caso de impeachment do partido no poder até hoje. Da mesma maneira, nunca antes o partido opositor — no caso, o democrata — tinha votado unanimamente a favor da destituição.

Na segunda votação, na acusação de obstrução de Justiça, Romney votou junto de seu partido, enquanto os democratas permaneceram unidos, o que fez com que o placar fosse de 53 a 47.

Romney, o candidato presidencial republicano de 2012, que já havia criticado Trump por outros assuntos,  disse que o presidente era “culpado de um abuso terrível da confiança pública” e que sua decisão foi tomada por uma “convicção inevitável de que meu juramento perante Deus exigia”.