A verdade contada como ela é.

Últimas notícias de coronavírus de 12 de março


OMS pede que países redobrem comprometimento contra pandemia; governo chinês declarou que pico do surto do Covid-19 acabou no país.

Por G1

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu nesta quinta-feira (12) que todos os países “redobrem” o comprometimento contra a pandemia de coronavírus.

Falando a diplomatas em Genebra um dia depois de caracterizar o Covid-19 como uma pandemia, ele também disse: “Descrever isso como uma pandemia não significa que os países devam desistir. A ideia de que os países devem passar da contenção para a mitigação está errada e é perigosa.”

A fala vem um dia depois da agência de saúde da ONU declarar uma pandemia de Covid-19 e dos EUA tomarem uma medida tomada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, de bloqueio às viagens para Europa.

A União Europeia criticou esta a decisão unilateral do governo Trump em restringir viagens da Europa para os Estados Unidos por causa do coronavírus, dizendo que a doença não respeita fronteiras.

Destaques desta quinta-feira (12) às 9h10:

  • A China registrou 80.980 casos confirmados de Covid-19 desde o início do surto
  • Há 3.173 mortes confirmadas por complicações causadas pelo novo coronavírus na China
  • Além da China, 37.371 casos foram registrados e há ao menos 1.130 mortes
  • China declarou o fim do pico do surto de Covid-19 no país
  • Irã tem mais de mais de 10 mil casos da doença e 429 mortes
  • A Itália tem mais de 10 mil infectados e registrou 631 mortes
  • Nos EUA, que restringiu viajantes da Europa, há 1 mil casos e 31 mortes
Mulher limpa o rosto de uma criança com um lenço nas ruas de Pequim, na China, nesta quinta-feira (12)  — Foto: Han Han Guan/AP

Mulher limpa o rosto de uma criança com um lenço nas ruas de Pequim, na China, nesta quinta-feira (12) — Foto: Han Han Guan/AP

O governo da China declarou nesta quinta-feira (12) que o pico do surto do novo coronavírus acabou no país. Os novos casos de Covid-19 continuam em declínio, afirmou o porta-voz da Comissão Nacional de Saúde, Mi Feng, em entrevista coletiva em Pequim.

Nesta quinta, foram registrados apenas 15 novos casos no país. A província de Hubei, onde fica a cidade de Wuhan, considerada o epicentro da epidemia, registrou apenas oito novas infecções. É a primeira vez que Hubei registra uma contagem diária de menos de 10 novos casos.

Casos no Brasil

O Brasil tem 52 casos confirmados do coronavírus, segundo divulgado pelo Ministério da Saúde, por volta das 17h, desta quarta-feira (11).

No Rio de Janeiro, o secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, anunciou, na manhã desta quinta-feira (12), o primeiro caso de transmissão local do coronavírus.

“Tivemos ontem a confirmação do exame de contraprova pela Fiocruz que faz com que o Rio de Janeiro tenha tido o primeiro caso de transmissão local do vírus”, disse Santos durante entrevista ao Bom Dia Rio.

Casos na Europa

Na Espanha, a ministra da Igualdade, Irene Montero, foi diagnosticada com o novo coronavírus. Ela é parceira de Pablo Iglesias, vice-primeiro-ministro do país, que entrou em quarentena. Todos os ministros do governo vão ser submetidos a testes ao longo do dia. Todos os jogos da Liga espanhola de futebol estão suspensos.

Autoridades austríacas confirmaram a primeira morte de um homem de 69 anos em Viena por causa do novo coronavírus. A Áustria já registrou 302 casos de infecção.

O ministro da Saúde grego confirmou a primeira morte provocada pelo coronavírus. O paciente de 66 anos contraiu a doença durante um tour religioso em Israel e Egito no mês passado. Ele morreu em um hospital em Patras, a 204 km de Atenas.

Pandemia

Na quarta (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que há uma pandemia de Covid-19. Essa é a primeira vez que um coronavírus provoca uma pandemia – o termo que se refere ao momento em que uma doença já está espalhada por diversos continentes com transmissão sustentada entre as pessoas.

O novo coronavírus já atingiu mais de 124 mil pessoas em todo o mundo e deixou mais de 4,6 mil mortos.

A organização estima que o número de pacientes infectados, de mortes e de países atingidos deve aumentar nos próximos dias e semanas. Apesar disso, os diretores ressaltaram que a declaração não muda as orientações, e que os governos devem manter o foco na contenção da circulação do vírus.