Estudante de medicina da UFPR cria sistema que mostra evolução do coronavírus no Brasil


Por: Lucas Sarzi

Um estudante do quarto ano de medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR) criou um sistema que pode ajudar no mapeamento da evolução do novo coronavírus não só em Curitiba, mas no Brasil. O site Juntos Contra o Covid é simples e pode ser uma boa fonte de informação em meio a pandemia. A partir de um único dado, que é o CEP, e depois de responder algumas perguntas simples, como se a pessoa teve algum sintoma do novo vírus ou não, o mapa é atualizado.

Em questão de horas, já são quase 2 mil respostas no site. Várias pessoas, de diversas partes do país, participaram com o fornecimento de informações, não só de Curitiba. Acesse pelo endereço juntoscontraocovid.org.

Faissal Nemer Hajar, o criador do projeto, tem 20 anos e disse que criou o mapeamento a partir de alguns estudos que já fez. “Tive a ideia quando estava vendo o pronunciamento do Ministério da Saúde, em que se discutiam estrategias de política de saúde. Como fiz uma pós em Pesquisas Clínicas em Harvard, aproveitei muito desse aprendizado de geolocalização com estruturas e algoritmos simples”.

O rapaz disse que, em uma hora e meia, criou o sistema. “Como o Ministério tinha publicado alguns algoritmos, peguei um deles e montei o programa. Deixei aberto para que as pessoas pudessem participar. Fui dormir e quando acordei o negócio já tinha crescido muito. Um monte de gente usando”, comentou Faissal, destacando que o algoritmo usado nesse sistema foi divulgado pelo Ministério da Saúde junto da FIOCRUZ.

Conta com a verdade

O programa é bem simples, não precisa ser instalado no celular ou no computador, e conta com que as pessoas respondam com sinceridade o que é pedido como, por exemplo, se já teve algum sintoma do novo coronavírus, se já fez algum exame e se deu positivo. “Conto realmente com a verdade das pessoas. Mas também deixo claro que não fazemos parte de um diagnóstico médico, a ideia é justamente manter o mapeamento para que as autoridades possam consultar“, explicou Faissal, que teve a consultoria de um professor que trabalha com Reumatologia e que o conhece por fazerem parte de um grupo de estudos.

Segundo o estudante de medicina, o objetivo do projeto não é pegar os dados de ninguém, mas sim colaborar com a conscientização sobre a prevenção. Além disso, a ideia é fazer com que o site seja reabastecido com uma periodicidade, para que os dados estejam sempre atualizados também, caso alguém que hoje não tenha contraído o vírus venha a ter a doença. “A ideia é que seja atualizado de sete a 14 dias, para que as pessoas realimentem o sistema, para vermos como ele muda“.

respostas site coronavirus curitiba 01
FOTO: REPRODUÇÃO/JUNTOS CONTRA O COVID/REGISTRO FEITO ÀS 15H DESTE SÁBADO (21).

Pontos críticos, médios e leves

Ao preencher o sistema e clicar em ‘enviar’, a pessoa pode ver o mapa com o avanço da pandemia em Curitiba ou no Brasil. “Alguns pontos vermelhos são de alto risco e se estiverem rodeados por amarelo é porque aquela região não está tendo uma contenção boa. Mas se houver uma região vermelha cheia de azul, é porque essa pessoa está isolada da forma correta e está sendo feita a contenção da maneira que precisa. O sistema pode ajudar a mapear essas ações“.

Faissal reforçou ao RICMais que fez um sistema seguro e que não busca capturar dados de ninguém. “É um programa que está aberto. Quando a pessoa manda o endereço, pelo CEP, não salvamos nenhuma dessas informações. O que nós salvamos são três informações: a latitude, a longitude e qual o risco daquela pessoa, se é baixo médio ou alto. Não pego informações do IP da pessoa, nem informações de navegação, muito menos faço rastreamento, ou seja, o site não coleta nenhum dado pessoal“.

Embora tenha sido criado para computar os dados no Brasil, principalmente para haver controle do próprio Faissal, o estudante já foi procurado por outros países. “Teve gente do México que me procurou para fazerem um sistema pra lá também. E a ideia é justamente essa, fazermos um sistema simples, que possa contribuir para ajudarmos as pessoas“.

respostas site coronavirus curitiba
PONTOS AZUIS SIGNIFICAM BAIXO RISCO. AMARELOS, MÉDIO RISCO. VERMELHOS, ALTO RISCO. FOTO: REPRODUÇÃO/JUNTOS CONTRA O COVID/REGISTRO FEITO ÀS 15H DESTE SÁBADO (21).

Fique em casa!

Faissal reforça o alerta para que as pessoas levem a sério todas as orientações dadas pelas autoridades, principalmente os médicos. “O pessoal da área da saúde, sejam os acadêmicos ou os profissionais, já tem noção dos impactos das doenças infectocontagiosas. São infecções que a gente não vê, que tem as consequências depois, assim como as DSTs”, destacou.

Segundo o estudante, que quer seguir pela área das pesquisas clínicas e do empreendedorismo dentro da medicina, o novo coronavírus é perigoso por não ser visível. “É um tipo de doença invisível até você sofrer as consequências dela. Como acadêmico, vejo que as pessoas não estão conseguindo compreender que é um mal tão grande, mesmo que não seja tão aparente. Essa pandemia tem feito exatamente isso, que as outras pessoas comecem a entender que é lutar contra algo que é invisível“, alertou.