Participação de eleitores de 16 e 17 anos nas eleições municipais é a menor desde 1990


Pandemia amplia baixa adesão de jovens à eleição, e total de aptos a votar nessa faixa etária cai 55% na comparação com pleito de 2016. Pesquisadores veem distanciamento da política partidária Marlen Couto

A participação de eleitores com 16 e 17 anos de idade no pleito municipal de novembro será a menor em uma eleição brasileira desde 1990, após o voto facultativo ser instituído na Constituição de 1988. Os dados foram levantados pelo GLOBO a partir de estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e só não consideram a disputa para presidente de 1989 porque não há informações públicas sobre a distribuição do eleitorado por idade naquele ano.

Estão aptos a votar este ano pouco mais de 1 milhão de eleitores desse grupo etário, número 55% menor que o contabilizado em 2016. Esses jovens representam 0,7% do eleitorado contra 1,6% na última eleição municipal. Há 30 anos, eram 3,5% dos votantes. A redução foi a maior da série histórica e ocorreu em ritmo maior que a variação dessa população no mesmo período. De acordo com dados do IBGE, o total de jovens de 16 e 17 anos encolheu 9,5% no país em quatro anos.

(LEIA A ÍNTEGRA DA REPORTAGEM)